Por que as mulheres vivem mais do que os homens?

Em visita a túmulo de Elvis, Paul McCartney deixa palheta de presente ao ídolo do rock
28 de maio de 2013
Crise ameaça deixar Igreja sem vinho e hóstia na Venezuela
28 de maio de 2013
 Um estudo japonês sugere que as mulheres vivem mais do que homens porque o sistema imunológico feminino passa por modificações mais lentamente com a idade.
 De acordo com a pesquisa da Universidade Médica e Odontológica de Tóquio, ainda que o sistema imunológico de todas as pessoas fique mais debilitado com a idade, no caso dos homens esse processo é mais rápido, o que poderia explicar sua menor longevidade.
 O sistema imunológico protege o corpo de infecções, mas também está associado ao surgimento de doenças caso não esteja bem regulado.
Em 2011, cientistas belgas afirmaram ter encontrado provas de que as mulheres têm um sistema imunológico melhor que o dos homens, enquanto os adeptos de explicações “menos biológicas” apontam para fatos como a maior capacidade de perdoar das mulheres.
 Linfócitos
 Katsuiku Hirokawa e seus colegas analisaram amostras de sangue de 356 homens e mulheres saudáveis com idades entre 20 e 90 anos.
 Eles mediram no sangue a quantidade de leucócitos (glóbulos brancos, células do sistema imunológico) e de moléculas chamadas citocinas, que permitem às células imunológicas coordenarem a resposta do corpo a alguma doença.
 Entre homens e mulheres o número de leucócitos por pessoa caiu com a idade, como era esperado e comprovado por estudos anteriores.
 No entanto, em um exame mais detalhado foram reveladas diferenças entre homens e mulheres em dois tipos de células que são componentes importantes do sistema imunológico, os linfócitos T e os linfócitos B, dois tipos de leucócitos.
 Os cientistas constaram que, com o avançar dos anos, a queda do número da maioria dos linfócitos T e B mostrou ser mais rápida em homens. Os homens também mostraram ter um declínio mais rápido em dois tipos de citocinas que naturalmente se tornam menos comuns com o avançar da idade.
 Além disso, o número de dois tipos específicos de linfócitos que costumam se tornar mais numerosos com a idade, T CD4 e as chamadas células exterminadoras naturais, aumentou mais em mulheres do que em homens ao envelhecerem.
 Quem determina o quê?
 “Mudanças relacionadas à idade em vários parâmetros diferem entre homens e mulheres”, escreveu Hirokawa e sua equipe no relatório, divulgado na publicação científica Immunity & Ageing.
 “Nossas descobertas indicam que uma taxa de declínio mais lenta destes parâmetros imunológicos em mulheres, em comparação aos homens, é coerente com o fato de que mulheres vivem mais do que homens.”
 Para Tom Kirkwood, do Instituto de Envelhecimento e Saúde da Universidade de Newcastle upon Tyne, na Grã-Bretanha, as descobertas dos cientistas japoneses são úteis, mas não surpreendem.
 “É provável que o envelhecimento mais lento no sistema imunológico de mulheres reflita uma taxa geral de envelhecime

Os comentários estão encerrados.