Olho de peixe: o que é e como tirar da maneira certa?

Como Eliminar Pelos Encravados Permanentemente!
15 de março de 2019
Mulher cai de paramotor em Porto de Galinhas
15 de março de 2019

olho de peixe é um nome popularmente usado para se referir a uma infecção muito comum que acontece na sola do pé. Também chamada de verruga plantar, ela se parece muito com calos, mas na realidade é completamente diferente e contagiosa.

O que é olho de peixe?

De acordo com a dermatologista Nádia Almeida, chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba, o olho de peixe é, na verdade, uma verruga causada por um vírus que adquire um aspecto semelhante ao de um cravo ao atingir a sola do pé, local de pele mais áspera e grossa.

Causas

O vírus causador desta condição é um subtipo do papilomavírus humano, o HPV, e pode aparecer em diversas áreas do corpo.

As características da lesão se alteraram de acordo com o local em que cresce. Podemos citar, como exemplo, o vírus que se manifesta em verrugas nas mãos, que são geralmente mais salientes e aparecem nos dedos e ao redor das unhas.

É contagioso?

olho de peixe no pé é contagioso, assim como diversos outros problemas e sintomas de HPV. É preciso tomar cuidado para não espalhá-lo pelo restante do corpo ou transmiti-lo para outras pessoas.

Sinais e sintomas de olho de peixe

Dor do olho de peixe.

O problema se manifesta pela verruga na sola do pé, que tem aspecto inflamado e avermelhado, e dor no local.

“O olho de peixe não causa uma dor espontânea ou extremamente acentuada, mas vai se agravando aos poucos, especialmente conforme caminhamos, já que isso causa pressão sobre a lesão”, lembra a dermatologista.

Não há grandes diferenças entre a verruga plantar em adultos e crianças. A questão é que como os adultos tendem a caminhar mais e também acabam por cutucar a ferida por conta própria, é mais fácil o vírus se espalhar para outros locais ou a infecção se agravar. Isso pode tornar o problema mais doloroso e múltiplo, dificultando o tratamento.

Embora não seja uma condição de saúde maligna, a dor pode ser muito incômoda, ao ponto de dificultar bastante a locomoção, a prática de esportes e exercícios em geral

Como tirar olho de peixe?

Antes de se iniciar qualquer tipo de tratamento de olho de peixe, é necessário procurar um dermatologista para que ele possa diagnosticar corretamente o problema e avaliar a gravidade, bem como a profundidade da lesão. Somente então, o médico poderá decidir qual a abordagem mais adequada para cada paciente.

“O tratamento é baseado na destruição da lesão”, conta a médica Nádia Almeida. “Isso pode ser feito de diferentes maneiras: por meio de medicação tópica, que é chamada de cáustica, ou então pela crioterapia, que é basicamente o congelamento da verruga”, completa.

Segundo ela, a cauterização, que é bastante popular e frequentemente solicitada pelos pacientes, não é indicada. “É um erro! Isso porque, como a doença é causada por um vírus, por mais que você destrua todo o tecido ainda pode restar alguma partícula do vírus na região, e a lesão pode voltar”, diz Nádia.

Além da crioterapia, os consultórios de dermatologistas podem realizar a remoção cirúrgica, com laser, aplicação de ácido salicílico, ácido tricloroacético ou ácido nítrico.

E em casa?

“Os tratamentos caseiros geralmente consistem em aplicação de fitas adesivas contendo os ácidos indicados ou aplicação de creme dermatológicos com substâncias queratolíticas e abrasivas”, explica a dermatologista Regina Schechtman, coordenadora do Departamento de Micologia da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Segundo a especialista, antes de realizar os tratamentos caseiros indicados pelo médico, é recomendado deixar o pé de molho, para umedecer um pouco a pele, e esfoliá-lo levemente com a pedra-pomes. Isso facilita a ação dos produtos e medicamentos.

Embora seja comum, tentar retirar o olho de peixe por conta própria em casa deve ser evitado a todo custo. Como se trata de uma verruga muito semelhante ao calo – e por vezes ao bicho de pé,  por conta do pontinho escuro na ponta -, há quem imagine que o problema pode ser resolvido da mesma forma.

Você espreme verrugas? Não. Então, diferente dos problemas citados acima, a única coisa que deve ser feita em casa é aplicar medicamentos segundo a orientação de um dermatologista.

Nunca mexa no olho de peixe com um cortador de unha, agulhas ou objetos do gênero, até porque é um problema contagioso que pode ser transmitido para quem tiver contato com o mesmo utensílio depois.

Complicações

Quando não tratado, o olho de peixe pode se tornar uma lesão maior, mais dolorosa e apresentar uma inflamação mais séria, que pode ter consequências ainda piores se infeccionar.

No entanto, não é incomum as verrugas desaparecerem sem tratamento algum. “Apesar de ser possível, isso pode levar de um a dois anos”, atenta Schechtman. “Durante este período, porém, corre-se o risco de as verrugas aumentarem de tamanho ou espalharem para outros locais do corpo”, diz.

Como se prevenir

O principal responsável por prevenir o problema é o próprio paciente com o olho de peixe. Alguém nesta situação deve tomar diversos cuidados para proteger quem estiver ao seu redor. “A pessoa com verruga plantar não deve frequentar ambientes que facilitem o contágio, como piscinas, clubes, banheiros públicos, etc, até resolver o problema”, recomenda a dermatologista Regina.

Mesmo para quem já tem o problema, é necessário evitar o contato direto das verrugas em partes do corpo ainda não afetadas. Isso, obviamente, é fundamental também para quem ainda não sofre com o olho de peixe.

Outras indicações interessantes são:

– Evite andar com os pés descalços em locais públicos ou compartilhados com desconhecidos, como vestiários, banheiros e áreas próximas a piscinas.

– Seque bem os pés após entrar no mar, na piscina ou no banho. De maneira geral, é importante secá-los sempre que ficarem úmidos.

– Não use sapatos emprestados de outras pessoas.

– Sempre que possível, evite sapatos fechados.

Fonte – https://www.ativosaude.com/saude/olho-de-peixe/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *