O que o setor de Tecnologia da Informação espera do governo Bolsonaro

Império Recepções. Decoração de Eventos.
31 de outubro de 2018
Bolsonaro define pelo menos 15 ministérios em novo governo
31 de outubro de 2018

Com a confirmação, na manhã desta quarta-feira, 31, do Tenente-Coronel Marcos Pontes (PSL) para o Ministério da Ciência e Tecnologia do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o setor da Tecnologia entra em compasso de espera pelas novas medidas que serão tomadas a partir de 2019.

Piloto de caça e astronauta, Marcos Pontes, 55 anos, foi o primeiro brasileiro a viajar ao espaço, em 2006, a bordo do foguete Soyuz, que o levou à Estação Espacial Internacional (ISS), onde passou uma semana.

Para medir a expectativa do setor em relação ao que poderá ser feito no novo governo federal, ouvimos representantes do poder público, academia e mercado para sabermos o que pode ser feito nos próximos quatro anos para que a Tecnologia volte a ter um papel preponderante no desenvolvimento nacional.

“O primeiro grande desafio de quem for tocar a pauta é recuperar o orçamento. Não tem como falar em bancar projetos grandes de desenvolvimento sem que os recursos sejam assegurados”, afirma a secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco, Lúcia Melo. “Esse limite de teto de gastos públicos não pode ser generalizado. Não podemos permitir que esse congelamento afete setores estratégicos para o País, como a própria Capes já alertou em relação ao corte nas bolsas de pesquisa, por falta de condições de pagamento”, completa.

Lucia Melo,  secretária de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco (Divulgação)

A construção de um modelo de desenvolvimento que vá além de programas de governo temporários é outro ponto que Lúcia Melo aponta como crucial para a nova gestão federal. “Se avançou bastante na construção do novo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, que é uma construção de 16 anos e precisa ser implementado em sua totalidade”, explica. O documento, aprovado em fevereiro passado, traz regras que criam mecanismos para integrar instituições científicas e tecnológicas e incentivar investimentos em pesquisa, de forma desburocratizada.

MAIS AUTONOMIA NAS UNIVERSIDADES

Do lado de quem faz as pesquisas científicas, o diretor do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn-UFPE), André Santos, espera que o novo governo atenda à uma demanda antiga da academia: mais autonomia. “Existe uma demanda muito antiga das universidades que é por maior grau de autonomia na sua gestão, principalmente de recursos na hora de trabalhar junto com a sociedade, o governo e com empresas”, conta o professor.

Esse é um pedido que não foi completamente aceito em nenhum dos governos anteriores, e Santos espera que esse seja um ponto que Bolsonaro possa atender – além de claro, mais verba. “Mais verba sempre é bem vinda. A soberania nacional depende do desenvolvimento do conhecimento aqui dentro. Você precisa de pessoal capacitado em todas as áreas, e o Brasil já é destaque em certas áreas que podem se beneficiar ainda mais”, avalia o professor.

Como a valorização da produção nacional foi uma das tônicas da campanha do presidente eleito, o diretor do CIn-UFPE também espera que Bolsonaro olhe para dentro do País na hora de procurar soluções. “As universidades em geral, e as do setor de Tecnologia da Informação em particular, têm muitas tecnologias e sistemas de informação que podem ajudar na gestão governamental. Na segurança pública, por exemplo, que é um dos lemas desse governo, tem muita coisa na área de pesquisa nas universidades que eventualmente podem vir a contribuir para esse tipo de ação”.

Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco. Foto: Divulgação

Sobre o novo ministro, Santos afirma que não conhece seu currículo à fundo para fazer uma avaliação, mas acredita que o mais importante é entender as necessidades do setor. “Não foi uma indicação política, o que pode ser bom, mas temos que lembrar que também tivemos políticos na pasta que fizeram um trabalho muito bom, como Sérgio Rezende (2005-2010) e o próprio Eduardo Campos (2004-2005)”.

INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO

O mercado também vê com bons olhos a indicação de Marcos Pontes. Para o presidente da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação de Pernambuco (Assespro-PE), Ítalo Nogueira, “ele deve entender que a pesquisa e o desenvolvimento de soluções de tecnologia são importantes para o futuro do País. Estamos também ansiosos e esperançosos que tudo isso saia da retórica e que possamos ver, realmente, sinalizações positivas de boas pautas e boas questões para o mercado produtivo”.

Pontes pode ser um bom intermediador de parcerias público-privadas do setor produtivo “e também do apoio do governo para o desenvolvimento de políticas públicas que possam fomentar o empreendedorismo”, avalia o empresário

A isto soma-se o papel que o futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, promete ter no governo a partir de 2019. “Guedes sinaliza um trabalho forte para ajudar os empreendedores do Brasil. Então, independente do setor que nós atuamos, o de tecnologia da informação e comunicação, se realmente essas práticas e as amarras forem tiradas, deveremos ter políticas que apoiem o setor”, afirma Ítalo.

Ítalo Nogueira, presidente da Assespro-PE (Divulgação)

Fonte – https://blogs.ne10.uol.com.br/mundobit/2018/10/31/o-que-o-setor-de-tecnologia-espera-do-governo-bolsonaro/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *