O que acontece no seu corpo quando um relacionamento acaba?

Eventos
4 de agosto de 2019
Alimentos saudáveis para a sua lista do supermercado
5 de agosto de 2019

Seu corpo reage de diversas formas ao terminar um relacionamento, mas você pode amenizar os efeitos dessa experiência negativa
O término de um relacionamento implica em uma mudança radical em nossas vidas. Passamos grande parte de nosso tempo acostumados a conviver com uma pessoa, e quando ela não está mais presente, sentimos que existe um vazio em nós.
Os impactos dessa experiência ultrapassam o campo das emoções, e podem até mesmo prejudicar aspectos de nossa saúde física. Veja a seguir os impactos que o término de um relacionamento pode causar em você:
Efeitos físicos do término

1. Você passa por uma espécie de “crise de abstinência”A endocrinologista Danielle Ferreira revela que o término de um namoro pode afetar nosso centro de recompensa cerebral, decorrente de uma relação de vício e dependência. Isto acontece porque, durante um relacionamento saudável, temos o aumento de hormônios como a dopamina, ocitocina e serotonina, que são responsáveis pela sensação de prazer e bem estar.Quando nossa mente percebe que não está tendo os mesmos níveis destes hormônios por conta do término, expressamos a falta destas substâncias de diversas formas. Segundo Danielle, podemos experienciar sensação de frio, tremedeira, sudorese e até mesmo palidez durante esta fase de “abstinência pós-término”.
2. Você fica mais estressadoAo mesmo tempo em que hormônios positivos como a dopamina têm seus níveis reduzidos, o cortisol e a adrenalina tem seus níveis aumentados no organismo. Consequentemente, Danielle explica que acabamos ficando mais irritados, o que explica por que algumas pessoas podem afastar-se de seus círculos sociais após passarem por um término.
3. Você pode ganhar ou perder pesoSegundo a endocrinologista, existe uma associação entre distúrbios alimentares (anoréxicos ou compulsivos) e quadros psicológicos como depressão e ansiedade. Estes últimos podem ser desencadeados a partir de situações como um término, que causam estresse em pessoas que já são suscetíveis a terem alterações de humor severas.
4. Você pode ter suas doenças agravadasPara Danielle Ferreira, do Hospital Norte D’Or, o excesso destes hormônios pode impedir a ação de substâncias como a insulina, aumentando o risco do desenvolvimento de diabetes em pessoas suscetíveis à doença.A maior secreção de adrenalina pelo corpo também pode provocar sensação de palpitação e arritmia, fazendo com que pessoas com problemas cardíacos pré-existentes sejam mais afetadas.O excesso de cortisol pode ocasionar menor eficácia das células de defesa, causando também o enfraquecimento dos ossos, alterações gástricas, fraqueza muscular e outros sintomas. Portanto, é necessário prestar atenção do corpo e mente durante momentos difíceis como este.
5. Você pode experienciar dor físicaA neurocientista e biomédica Patrícia Bado explica que as mesmas regiões cerebrais relacionadas à dor física são ativadas pela dor emocional da rejeição, o que justifica as dores no coração que algumas pessoas relatam ao terem uma desilusão amorosa.”Como os seres humanos são seres extremamente sociais, que dependem de relações uns com os outros para sobreviverem, faz sentido pensar que o mesmo mecanismo biológico da dor física tenha sido apropriado para a dor social”, explica a especialista.Ela aponta que, de um ponto de vista evolutivo, indivíduos com maior facilidade de inserção social acabavam aumentando suas chances de sobrevivência. A ânsia por nos mantermos vivos explicaria por que buscamos manter laços com outras pessoas constantemente.
6. Você pode desenvolver insôniaPara a psicóloga Lia Clerot, nosso sono pode ser extremamente prejudicado ao terminarmos um relacionamento. Segundo a especialista, por ficarmos preocupados com o futuro, acabamos desenvolvendo uma ansiedade que afeta diretamente nossas horas de descanso.Para a psicóloga, a tensão ao pensarmos excessivamente em formas de reconquistar nossos parceiros pode acabar prejudicando o sono, já que não nos concentramos em apenas dormir.
7. Nosso cérebro simula uma espécie de “luto”O tálamo dorsomedial e partes do tronco encefálico são algumas regiões cerebrais relacionadas à angústia, e o término do relacionamento pode causar graves alterações nelas. Patrícia Bado explica que alguns estudos também mostram que o término ativa áreas da amígdala cerebral, potencializando emoções originadas pela separação e intensificando a memória emocional.Quando a amígdala sofre alterações e se conecta com outras regiões cerebrais, emoções de luto podem surgir. Quanto maior for a modificação neural, maior será a intensidade da angústia.
8. Você pode ficar desatentoAs conexões cerebrais da amígdala com o córtex-pré-frontal modulam a nossa atenção, e segundo a neurocientista, isto pode explicar por que algumas pessoas possuem grande dificuldade de concentração durante o período de luto pós-término.Patrícia explica que todos estes danos acontecem por processos químicos. “Grande parte de nossa sinapse acontece via neurotransmissores. Portanto, quando regiões cerebrais têm suas comunicações alteradas, nosso corpo e mente refletem este desbalanço químico”.
Como lidar com o término de um relacionamento emocionalmenteVocê pode ser surpreendido com o término de um relacionamento, ou então, terminar a relação por sua escolha. Nos dois casos, a experiência não é fácil. Segundo a psicóloga Lia Clerot, a ajuda profissional pode ser necessária em alguns casos, pois nossa autoestima pode ficar abalada com o fim do vínculo amoroso.Para Lia, antes de aceitarmos que não estaremos mais com a pessoa amada, passamos por cinco fases iniciais: Luto, negação, tristeza profunda, raiva e culpa. Entretanto, não devemos encarar estas etapas como exclusivamente negativas. Elas são essenciais para que entendamos que podemos superar quaisquer obstáculos em nossas vidas, e que somos mais fortes do que imaginamos.Para quem opta por terminar um relacionamento, é preciso ter consciência que todas escolhas carregam consigo consequências. Porém, você pode ser forte o suficiente para lidar com quaisquer uma delas. E acima de tudo, você não precisa enfrentar todos os obstáculos sozinho: Busque apoio nas pessoas e coisas que ama.Viajar e cuidar de si também aumentam nosso amor próprio em momentos que estamos fragilizados, pois mostramos compaixão e sensibilidade por quem somos. Você pode ser o seu maior aliado em momentos de sofrimento.Apesar dos males psicológicos representarem a maior parte do sofrimento, nós também somos acometidos por danos físicos, causados por desregulações hormonais, por exemplo. Portanto, para potencializar o bem estar, Lia Clerot indica que você realize atividades aeróbicas, como a dança e a caminhada, pois estas liberam hormônios ligados à felicidade.
Existem formas de evitar um grande sofrimento durante os términos?A psicóloga explica que não devemos depositar a razão de nossa felicidade em outra pessoa. Esta não é uma tarefa fácil, entretanto, você pode treinar esta atitude aos poucos, sem desrespeitar o seu próprio tempo de aprendizado.Para Lia, cada problema enfrentado representa crescimento e amadurecimento em nossas vidas, o que nos proporciona um relacionamento mais forte com nós mesmos. Como consequência, nos tornamos mais autoconscientes e temos melhores relacionamentos no futuro.
Fortaleça-se como pessoaÉ essencial que você identifique suas qualidades e as repita para si mesma. Isto irá elevar sua autoestima, e a fará pensar de forma mais auto confiante. Além disso, aceite e respeite suas limitações. Trabalhe em cima delas por você mesma, pois a felicidade originada de nosso interior é realizadora.Isto não irá acontecer rapidamente. Você pode e deve ter um tempo para si mesma, até mesmo isolando-se caso necessário. Mas em momentos de sofrimento, é necessário instigar nosso lado racional, para não perder as oportunidades que a vida traz diariamente. Nenhum sofrimento é eterno e, por mais que você não acredite hoje, é possível sobreviver a todas estas adversidades.Devemos respeitar a decisão do próximo de nos deixar, tendo em mente que quando um ciclo finaliza-se, outro se inicia. Assim, nos é dada a chance de recomeçarmos como versões melhores de nós mesmos.
Fonte: https://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/33533-o-que-acontece-no-seu-corpo-quando-um-relacionamento-acaba – Redação Minha Vida – Escrito por Kalel Adolfo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *