Eleições 2018: Como será o julgamento da candidatura de Lula no TSE?
29 de agosto de 2018
Rocambole de morango
30 de agosto de 2018

Futebol com efeito de remédio

Pesquisa bota em campo os principais benefícios desse esporte à saúde

Que a prática de atividade física faz bem para o corpo todo mundo sabe. Mas uma revisão científica feita por estudiosos dinamarqueses exalta particularidades muito bem-vindas do esporte preferido dos brasileiros. De acordo com os novos achados, o futebol aprimora a capacidade cardiorrespiratória, os níveis de colesterol e pressão e a forma física dos praticantes amadores.

“Observamos que a modalidade tem amplos efeitos no organismo, além de melhorar o bem-estar social, a imagem corporal, a autoconfiança e a qualidade de vida”, conta Peter Krustrup, professor de Ciências do Esporte e Saúde da Universidade do Sul da Dinamarca.

Nos dados analisados pelo time de Krustrup, o aspecto competitivo do futebol foi deixado de lado — isso para evitar que o estresse e as jogadas mais agressivas resultassem em tensão e lesões.

Como o esporte impacta o corpo, segundo a revisão

Praticar 1 hora de futebol, 2 vezes na semana por ao menos três meses gera:

Redução de 6 batimentos cardíacos por minuto. Ponto positivo para a saúde do coração.

Redução de 1,72 kg de gordura. O gasto calórico do futebol facilita a manutenção de uma boa forma.

Ganho de 2 cm na altura do salto. Os músculos e ossos tornam-se mais fortes.

Redução de 8 mg/dl no colesterol ruim, o que ajuda a prevenir infartos.

Também tem riscos

Antes de decidir jogar bola toda semana, é preciso prezar pelo condicionamento. “O futebol é um esporte de explosão. Uma pessoa com problemas cardíacos pode sofrer uma parada cardiorrespiratória, por exemplo”, avisa Ricardo Nahas, coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho (SP).

Torça sem crise

É normal que, durante as partidas, as alterações nos níveis de hormônios mexam com a pressão e o ritmo cardíaco — o que demanda cuidados extras para quem já tem desordens no coração. “A ansiedade também pode fugir do controle e gerar náuseas, dor no peito, nos membros e nas costas”, diz o psicobiólogo Ricardo Monezi, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Para evitar perrengues, não se esqueça de beber água antes e durante os jogos e fazer refeições leves. Melhor evitar exageros nos comes e bebes.

Descubra agora o que acontece com o corpo quando a gente está na arquibancada ou na frente da TV:

Cabeça: Reagindo ao sistema nervoso, o corpo libera hormônios de acordo com os resultados — daí vem o estresse quando as coisas estão feias. Ou o prazer da vitória.

Axilas: A tensão na hora do jogo gera calor. Nós começamos a transpirar para manter a temperatura do corpo em equilíbrio.

Cordas vocais: Na hora do gol, o corpo libera uma quantidade absurda de adrenalina, o que nos leva a expulsar o ar em alta velocidade de maneira verbalizada.

Coração: Sob influência dos hormônios, o coração aumenta sua frequência de trabalho e começa a bater mais rápido.

Pernas: Não consegue ficar sentado vendo o jogo? É um instinto natural. Para o cérebro, é como se estivéssemos ajudando o time no campo.

Fonte: Ricardo Monezi, Psicobiólogo, Professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Fonte: https://saude.abril.com.br/fitness/futebol-com-efeito-de-remedio/ – Por Maria Tereza Santos – Foto: Filipe Frazão/iStock

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *