Exercício é fundamental para prevenir e superar vários tipos de câncer

Comissão da Câmara aprova que eventos promovidos por igrejas possam receber recursos via Lei Rouanet
6 de novembro de 2019
O QUE É CÓLICA? GINECOLOGISTA EXPLICA PORQUE ELA ACONTECE
7 de novembro de 2019

Nova diretriz traz mais evidências sobre o assunto e recomenda treinos personalizados para melhorar a vida depois do câncer
Fazer exercícios físicos regulares pode melhorar a expectativa de vida de quem teve um câncer e até evitar que ele apareça. É o que afirma uma nova diretriz assinada por 17 instituições do mundo, entre elas o Colégio Americano de Medicina do Esporte e a Sociedade Americana de Câncer.
Durante dois dias, cerca de 40 especialistas se reuniram nos Estados Unidos para revisar e discutir a literatura científica sobre câncer e atividade física. O esforço foi condensado em três artigos.
O primeiro deles é focado em prevenção, e mostra indícios sólidos de que malhar ajuda a evitar sete tumores comuns: cólon, mama, endométrio, rins, bexiga, esôfago e estômago. Para ter ideia, o risco de ser diagnosticado com certos tipos de câncer é 69% menor entre os fisicamente ativos.
“E ainda existem evidências limitadas para câncer de pulmão, cabeça e pescoço, pâncreas, ovário e mieloma múltiplo”, aponta Daniel Galvão, diretor do Instituto de Pesquisa em Medicina do Exercício da Universidade Edith Cowan, na Austrália, que participou da mesa redonda e assina um dos trabalhos resultantes da reunião.
Exercícios após o câncerO segundo trabalho da série de recomendações é focado no que acontece depois do diagnóstico. Ele mostra um avanço considerável e bem-vindo nessa área, uma vez que a população de sobreviventes do câncer não para de crescer – hoje, ela está estimada em 43 milhões de pessoas no planeta.
A primeira diretriz publicada pelo mesmo grupo, em 2010, dizia em linhas gerais que se exercitar era aparentemente seguro para essa turma. A nova publicação confirma a suspeita, além de destacar um aumento de 261% nos estudos disponíveis sobre o impacto do exercício físico regular e controlado em diversos aspectos da vida pós-câncer.
“Cada tipo da doença tem um comportamento e, muitas vezes, o paciente conviverá por anos com a neoplasia em si ou as suas consequências”, comenta a patologista Ana Luisa Gomes Mendes, do Núcleo de Estudos em Oncologia da Universidade Federal de Lavras (Ufla). Entre elas estão fadiga, depressão, perda de massa muscular, sequelas cirúrgicas, dores crônicas e perda de massa óssea.
“Assim, é impossível fazer uma prescrição para todos. O ideal é olhar para essas condições específicas e criar um treino individualizado”, aponta Galvão. A diretriz mundial elenca algumas dessas condições e as melhores condutas para cada uma delas. O grupo de Galvão assina ainda outro trabalho, publicado recentemente no Journal of Science and Medicine in Sport, que detalha treinos para 30 consequências do câncer.
Além de atuar contra essas marcas, suar a camisa diminui a probabilidade de tumores de cólon, mama e próstata voltarem, e aumenta a sobrevida de indivíduos com esses tipos de câncer.
Tipos de atividade, frequência e intensidadeApesar da necessidade de individualização, um esquema é muito citado no documento: três sessões de exercícios na semana em intensidade moderada, de preferência combinando atividades aeróbicas (como correr e pedalar) ao treinamento de força. Os benefícios começam a aparecer geralmente depois de 12 semanas de prática constante.
Treinos supervisionados parecem ser mais eficazes. “Na fase de combate, a supervisão ajuda a garantir segurança e aproveitar ao máximo o exercício. Depois do tratamento, o ideal é obter ao menos uma orientação inicial com um especialista”, informa Christina May Moran de Brito, Coordenadora Médica do Serviço de Reabilitação do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), em São Paulo.
Por que faz bem?Há muitos motivos para justificar a importância do exercício no combate ao câncer. “Ele melhora a imunidade, reduz a inflamação sistêmica, equilibra o hábito intestinal, o que é importante no caso dos tumores de cólon, além de promover uma composição corpórea adequada”, resume Christina.
Vale destacar o último item, já que a obesidade, uma das consequências da inatividade, está associada a nada menos do que 13 tipos de câncer. Quando o tumor já se instalou, o movimento constante parece inibir sua progressão e favorecer a resposta do corpo ao tratamento – inclusive em situações mais sérias, como a presença de metástase em outros locais.
Linfedema não piora com exercícioAté pouco tempo atrás, se pensava que malhar poderia piorar o linfedema, uma retenção de líquidos que causa inchaço em um membro do corpo – essa é uma consequência comum em mulheres que passam por cirurgia para tratar o câncer de mama. A nova diretriz mostra que isso não ocorre. A novidade é importante, porque o exercício é vital para elas.
E a mulher deve se movimentar mesmo quando já tem o linfedema. “O treino de força progressivo, com cuidado, é seguro, e o tônus muscular colabora com a drenagem linfática na região”, explica Christina. “Nesse caso, o linfedema deve ser tratado e estar estabilizado há três meses, e os exercícios não podem ser realizados sob sol forte ou muito calor”, acrescenta.
Implicações práticasPor fim, o terceiro artigo produzido pelo grupo, e publicado no periódico CA: A Cancer Journal for Clinicians, fala diretamente com o oncologista. “Nele, mostramos que o exercício deve ser prescrito junto com o tratamento medicamentoso”, comenta Galvão. A ideia é que, já nas primeiras consultas, o assunto seja trabalhado em três etapas: conhecer a capacidade física do indivíduo, aconselhar e, por fim, encaminhar para um especialista na área.
Espera-se que um compêndio tão robusto de evidências eleve a importância do tópico entre as autoridades. Trata-se, afinal, de uma estratégia barata e eficaz contra uma doença desafiadora e onerosa. Segundo os especialistas, a conclusão é de que o exercício é parte do tratamento, mas não existe uma estrutura mundial para que isso se concretize de maneira uniforme.
Por ora, manter-se ativo antes e depois do câncer depende muito da iniciativa própria, que sofre com os estigmas associados à doença. “Observamos que grande parte das pessoas recebe o diagnóstico e interrompe as atividades físicas, sendo que a maioria das contraindicações é pontual e temporária”, diz Christina. Uma pena. “O exercício seria muito benéfico para elas”, conclui.
Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/exercicio-e-fundamental-para-prevenir-e-superar-varios-tipos-de-cancer/ – Por Chloé Pinheiro – Ilustração: Bia Melo/SAÚDE é Vital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *